Total de visualizações de página

domingo, 13 de outubro de 2013



                  
              A negligenciada arte de ouvir


    "O ouvido do homem é um bom caminho para aprender", dizia Aristóteles.
   Policiar o que se diz é de bom tamanho.
  Gosto da quietude, ela me acompanha.Tenho medo de fazer besteira com as palavras erradas ou mal colocadas. Claro que às vezes escapa.
       É mais fácil errar falando do que ouvindo.
   Ouvir é lucrativo, e falando a gente despende e pode sair perdendo muito (palavra lançada não tem volta).
     Prestar atenção quando alguém falar é uma forma de conhecer as pessoas e compreendê-las, principalmente quando nos colocamos no lugar delas.




      Outra vantagem, é que sob o olhar dos demais, também podemos nos conhecer melhor. Se alguém nos critica e aceitamos, podemos melhorar a forma de agir. É uma chance de amadurecer.
Ouvindo exercita-se a temperança, a humildade, a elevação e o jeito simples de ser .
A maioria fala, mas não escuta .
Pior que tem gente que não filtra a conversa, e acaba por fazer discursos desastrosos e ofensivos.É um tiro no peito da vítima.
O que contamina o homem não é o que entra na boca, mas o que sai dela.(Mateus 15:11)


"A língua é uma arma com munição infinita até que seja disparada no peito do próprio dono."(CR)
Tal como o peixe morre pela boca, o homem morre pela língua.
A pessoa fala aquilo que no coração habita. Salve os bons!!Lamento pelos ruins, e desses eu quero distância!
Considero uma tremenda elegância as pessoas que bendizem e falam com discrição, respeito e generosidade.
É música para os ouvidos.
Mais bonito ainda, quando nos ouvem interessados, olhando nos olhos.
" Se suas palavras não forem melhor que o silêncio, cale-se."



A natureza sabe o que faz: temos dois ouvidos e uma boca, e quanto mais curta a língua, melhor.
Convenhamos que língua "presa", em medicina "freio lingual curto", dubiamente pode ser a salvação em certos momentos (risos).
Escutar e entender é coisa de gente grande, articulada e evoluída.
Será que já crescemos o suficiente para isso ?Mesmo numa idade de suposta maturidade ?
Cada um conhece a sua resposta...



Thelma Eliza Garcia Ferreira